Amazon

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Apenas esqueça


Tenta me fazer esquecer
de toda essa dor;
Todos aqueles impulsos contidos
em que tudo se tornou vazio.
Não sei mais o que eu quero pensar. . .
Apenas esqueça tudo.
Não existe nada mais a remediar.
O tormento é drenado em fogo
dilacerando tudo ao redor.
Esqueça de como tudo começou



terça-feira, 30 de junho de 2009

Sentenças

O que parece incerto é confuso
Promessas esquecidas
Dúvidas estranhas

Certezas não me trazem mais segurança
Até porque elas também são incertas
Deixo-me assim navegando nesse mar de ilusões

Me sinto morrendo aos poucos
Com medo e sem culpas
No meio de mentiras e alegrias distorcidas.

Às vezes me vendo como uma imagem desprendida de mim.
Que não sabe por onde ir, em quem acreditar, no que confiar.
Chego então a conclusão que sempre fui só

Meu unico e melhor aliado sempre fui eu
Tenho medo de trair a mim mesmo
Nesse mundo tão inseguro e sombrio onde minha alma sangra

E aonde eu passo deixo o rastro de sangue
E todo lugar manchado sera testemunha do meu sofrimento
Sofrimentos, Lamentos, Revoltas, Cansaço.

domingo, 10 de maio de 2009

É uma dor que dói no peito

Sinto uma dor no peito
Algo não está bem
Será um descompasso natural do corpo
ou um presságio de uma forte angustia?
Quisera eu acreditar na inocência do amor
E não na falsa ilusão que esse sentimento passa.
Nada é tão duradouro
Nem se passa rápido
Existe o tempo certo
Que dor é essa que me aperta?
Às vezes eu acho que alguns sonhos são enrascadas..
Mas como ter certeza?
Enquanto o pesadelo não se revela
Vou respirando com a dificuldade
Do aperto que me sufoca.

terça-feira, 28 de abril de 2009

Desencontrada



Minha felicidade está
na distância daquilo
que sinto e no que acredito.
Abismo entre dois corpos
Rachaduras irreais
Um nó que demora a desatar
Um vínculo que não se corta
Liberta-me de tudo
E que um sonho me absolva dessa realidade.

Na expectativa de me encontrar
Me perco dentro de mim.

domingo, 29 de março de 2009

Sentimento de poeta

Um poeta é movido
pelo sentimentalismo
e fala com toda sensibilidade
do seu amor.
não importa se é desprezado
ou amado.
A intensidade é a mesma
porque a unica coisa que
lhe foge do controle
é a quem se deve querer.




domingo, 25 de janeiro de 2009

Sem título

  

Morre-se por amor.

Morre-se de saudades.

E pro silêncio eu volto,

Sem ter reações,

Sem querer lutar.

Aceitando a perda, calada.

Em minha mente,

Se passam as lembranças,

Sem dor,

Sem amor,

Sem você.