Amazon

terça-feira, 17 de março de 2015

E o que pensar dessa bagunça?
Ainda existe tempo para esperar
Para retornar, ir, ficar, partir?
Ficar na zona de conforto
ou se arriscar.
Uma avalanche de confusão
Que não se vê
Se sente
Se repele
Se junta
Mas não se afasta.
É o calor,
a imensidão
Traz o abraço.
Solidão

terça-feira, 6 de maio de 2014

Perdida em mim

Nada muda
Ou nada parece mudar

Mágoas, decepções, falta de estímulo
Dúvidas que vagueiam como fantasmas

Tempo, tempo, tempo
E da paz
Só queria um momento

terça-feira, 21 de maio de 2013

Abstrato

Um texto que sai de mim
palavras que
vagueiam, passeiam pela mente
e me deixa perdida, abafada e sufocada
de tantos pensamentos
que imaginam, se iludem e não se realizam
na vivência do sonho, da esperança
de um dia se tornar real

terça-feira, 12 de junho de 2012

Onde está meu pensamento?



Está em quem me fez voltar a rir
Nos pequenos detalhes de atenção
Nas minúcias do carinho
Com carícias demoradas
Sentindo o calor do seu corpo
e no toque de pele que arrepia
durante os afagos e abraços

No sentimento de companheirismo
No apoio mútuo
Olhares e sorrisos trocados de cumplicidade

No gosto de cada beijo
No sabor que fica a cada despedida 
Na vontade de te querer ao meu lado

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Distância

Longe.. um lugar desconhecido

Sinto falta das conversas

Do carinho e até mesmo

do mau humor.

Perto, onde ele não está

por querer tanto a sua presença

E saber que nada será como antes.

Existem falhas, eu sei

Em como tudo na vida

Na passagem de lembranças

No silêncio vazio do quarto

No espaço que sobra da cama

Dos motores dos carros que vagueam na madrugada

E na saudade que atormenta o meu coração

terça-feira, 25 de outubro de 2011

Esperando

A resposta de um email ou
Um sms com sinal de vida
Uma ligação que nunca acontecerá.
O sol brilha lá fora
Apesar de todo esse frio.
Em que lugar ele se escondeu?
Um sumiço sem explicação

quinta-feira, 17 de março de 2011

Passou..

E de repente tudo se desfaz
A luz se apaga
O quarto fica vazio
E as lembranças tornam-se distantes

Já se foi aquele tempo de sonhos
Aquele caminho de buscas
A esperança evaporou
O pranto secou

Nada mais resta
Palavras não são suficientes
E o silêncio torna-se constante.

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Unicidade


Um sentimento.


Um amor.


Uma vida.


Uma esperança.


Uma história


Um breve momento.


Uma recordação.


Uma decisão.


Um prazer.


Um deleite.


Um dia,


inesquecível


terça-feira, 19 de outubro de 2010

Nada Mais Sei


Sim,

Eu cansei
De esperar por tanto esse tempo
O melhor é ficarmos assim
Como sempre estivemos
Como sempre fomos

A solidão me acompanha
A insônia me faz aliada

A estrada segue o rumo

E ficamos então assim

Sem mudar uma virgula
e nem o local

Com o nada que temos
Sem o tudo que desperdiçamos

Para que fingir e fugir
deixar escapulir o ultimo suspiro


Em uma poesia que não terá final

domingo, 15 de agosto de 2010

Rascunho de um domingo



a chuva cai lá fora
e aqui dentro bate
um coração cruel
que roubou de mim
quase tudo o que sonhei
quase tudo em que acreditei

porém, ainda guardo algumas palavras
que engasgam em minha garganta
quando penso em te dizer
que te amo

sábado, 1 de maio de 2010

Indiferença




todos os dias são iguais
cheios de sol,
com aquele calor insuportável
e você com o seu mundinho
que hoje pra mim,
não tem mais importância.
a partir desse momento,
sinto apenas indiferença.
resoluta pela escolha
não mais me interessa as formas
desse sentimento chamado amor
e assim, bem sutil
vou saindo de cena

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Uma madrugada


Escuto ruídos que me despertam

Para uma realidade que não vivo.
Outras vezes escuto um som que me assusta.
No silêncio, em vão, próxima da solidão,
Busco palavras que criem rimas
Ou se entrosem na sintonia
Insensata merecida
Pela vontade de escrever.
Deita-me em seu colo
Até me acalentar
Pelas gotas de chuva
Que rebatem na janela

domingo, 11 de abril de 2010

Insanidade


Posso ser tudo o que desejo
Libertar todas as fantasias
E esperar enquanto bebo uma taça de vinho.
Posso transformar-me em felicidade
em discórdia ou ilusão.
Posso ser transmitida no ronronar do gato
na saliva envenenada da cobra
ou na disposição do bicho preguiça
No momento, nada tenho a oferecer,
pois padeço do mal da humanidade:
sofro por ser quem sou.

Pela beleza não acreditada
Pela ignorância de querer ser tua
Mesmo que sonsamente
Eu perceba você não me querer.
Ou por sentir uma culpa que não consigo entender.
Suplicio rasgado pela insanidade

Sou mais do que me acho
e me valorizo menos do que devo

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Delito Moral


Embates travados

No meio de arrogâncias
,

Disparidades irrelutáveis
.

Tudo é a mesma coisa
:

A mesma rotina
,

Os mesmos momentos
.

Paciência explosiva


Discordias dissonantes
;

Nada mais faz sentido
.

O grito abafado


Ou a ira contida
.

E nesse vazio
,

Encontro as mentiras


Dominadas pela angústia


De um delito moral


domingo, 3 de janeiro de 2010


Distância
Duas pessoas

Sentimentos
Mágoas
Nada disso me faz esquecer

É sonhar
É acordar

E tudo é um motivo para sentir sua falta.

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Apenas esqueça


Tenta me fazer esquecer
de toda essa dor;
Todos aqueles impulsos contidos
em que tudo se tornou vazio.
Não sei mais o que eu quero pensar. . .
Apenas esqueça tudo.
Não existe nada mais a remediar.
O tormento é drenado em fogo
dilacerando tudo ao redor.
Esqueça de como tudo começou



terça-feira, 30 de junho de 2009

Sentenças

O que parece incerto é confuso
Promessas esquecidas
Dúvidas estranhas

Certezas não me trazem mais segurança
Até porque elas também são incertas
Deixo-me assim navegando nesse mar de ilusões

Me sinto morrendo aos poucos
Com medo e sem culpas
No meio de mentiras e alegrias distorcidas.

Às vezes me vendo como uma imagem desprendida de mim.
Que não sabe por onde ir, em quem acreditar, no que confiar.
Chego então a conclusão que sempre fui só

Meu unico e melhor aliado sempre fui eu
Tenho medo de trair a mim mesmo
Nesse mundo tão inseguro e sombrio onde minha alma sangra

E aonde eu passo deixo o rastro de sangue
E todo lugar manchado sera testemunha do meu sofrimento
Sofrimentos, Lamentos, Revoltas, Cansaço.

domingo, 10 de maio de 2009

É uma dor que dói no peito

Sinto uma dor no peito
Algo não está bem
Será um descompasso natural do corpo
ou um presságio de uma forte angustia?
Quisera eu acreditar na inocência do amor
E não na falsa ilusão que esse sentimento passa.
Nada é tão duradouro
Nem se passa rápido
Existe o tempo certo
Que dor é essa que me aperta?
Às vezes eu acho que alguns sonhos são enrascadas..
Mas como ter certeza?
Enquanto o pesadelo não se revela
Vou respirando com a dificuldade
Do aperto que me sufoca.

terça-feira, 28 de abril de 2009

Desencontrada



Minha felicidade está
na distância daquilo
que sinto e no que acredito.
Abismo entre dois corpos
Rachaduras irreais
Um nó que demora a desatar
Um vínculo que não se corta
Liberta-me de tudo
E que um sonho me absolva dessa realidade.

Na expectativa de me encontrar
Me perco dentro de mim.

domingo, 29 de março de 2009

Sentimento de poeta

Um poeta é movido
pelo sentimentalismo
e fala com toda sensibilidade
do seu amor.
não importa se é desprezado
ou amado.
A intensidade é a mesma
porque a unica coisa que
lhe foge do controle
é a quem se deve querer.




domingo, 25 de janeiro de 2009

Sem título

  

Morre-se por amor.

Morre-se de saudades.

E pro silêncio eu volto,

Sem ter reações,

Sem querer lutar.

Aceitando a perda, calada.

Em minha mente,

Se passam as lembranças,

Sem dor,

Sem amor,

Sem você.

  

quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

Extase

      

       

Em um sonho

É assim que me sinto
Quando relembro
Como tudo aconteceu.

O céu estrelado
E a lua cheia a brilhar.

Abraço
Olhares trocados
Beijo selado.

Gritei de alegria
Dentro de mim
Explicitando uma felicidade no olhar
Sem me conter

Parecia delírio

De repente o que sentia em silêncio
Ficou real

Até quando?

terça-feira, 25 de novembro de 2008

Insonia

                    

                            

Noites insones em que

Perco-me no vazio

E nos pensamentos

Que me fazem relembrar

certos momentos,

De alegria ou dor;

De vitória ou angústia.

E nesse silêncio, inerte, 

As horas vão passando,

O sono nem, de leve,

vem me visitar.

Isso me faz descobrir a ansiedade.

Uma ansiedade de colocar

Para fora certos sentimentos, 

Porém tenho receio.

O dia vai amanhecendo

E é, então que percebo,

Que no mundo escuro

As estrelas brilham.

          

         

segunda-feira, 1 de setembro de 2008

Desencontros

Em algum ponto nossos pensamentos se cruzam.

Revivendo lembranças

Trazendo à tona as emoções.

Em mentes que explanam sensações

Voando alto no sentimento


Posso parecer triste longe de você,

Mas estou feliz tendo esse amor dentro de mim,

Que um dia re-encontraremos juntos.

domingo, 13 de julho de 2008

Vida

Olhe o luar
as flores que desabrocharam
o carrossel que roda sempre na mesma direção

Veja como as coisas continuam as mesmas

Mas algo dentro de mim
está mudando
Tem se tornado intenso e inquietante
É pavoroso o encontro com o acaso

Desconhecido e estranho
estando à margem de tudo que se move
vagueando pelas vias

Olhe o amanhecer
as folhas que caem das árvores
e a estrada que te leva sem direção.

Observe como as lembranças mudam o sentido

sábado, 29 de março de 2008

Vivências




Tenho um coração vagabundo

Indeciso pela própria escolha.

Ele já sentiu o peso do amor,

Leveza da paixão,

E o sabor do desejo.

E sozinha me encontro

Perdida na liberdade

Da minh'alma.

Acorrentada no medo

E vivendo uma ilusão

Passageira e fulgás.



quinta-feira, 24 de janeiro de 2008

Doces Recordações




Fecho um ciclo de minha vida
E agora volto a procurar
O caminho que me leva de volta a estrada
Procurei por toda parte
alguém como você,
que me dissesse tudo aquilo
que é bom de se ouvir;
que me cantasse músicas
que são tocadas no mesmo instante que as escuto.

Mas eu sabia que tudo isso um dia acabaria
eu sabia que não te teria por tanto tempo
quem, agora, se importa com nossa história
que agora faz parte das nossas lembranças

Me despi da vergonha,
de atos que considerava julgáveis
só para te ter por belos instantes,
porque agora sei que esses momentos
se transformaram em lembranças

Não interessa de como tudo foi feito
Nem da maneira de como tudo ocorreu
pois agora são doces recordações



sexta-feira, 14 de dezembro de 2007

Coragem

Junto palavras
para olhar o que já foi dito.


Em alguns momentos
Faltaram palavras,
Faltaram atos,
Faltaram gestos.


Em outros momentos
Passagens foram esquecidas.

Sigo por caminhos que foram traçados
Mas é tentador pegar um atalho
pela trilha mais longa


Observar o que foi feito

quinta-feira, 25 de outubro de 2007

Imperfeição

Intervalo de mim
Nomeada por atos
Conectada em instintos
Estigmatizada nos pensamentos
Seguindo os impulsos
Rompendo com paradigmas
Decisão sob declínio
Movida pelo impeto
Guiada pela esperança
Combalida na solidão.

Combalida de mim
Guiada por atos
Movida em instintos
Decisão nos pensamentos
Rompendo os impulsos
Seguindo com paradigmas
Estigmatizada sob declínio
Conectada pelo impeto
Nomeada pela esperança
Intervalo na solidão

quarta-feira, 3 de outubro de 2007

Distante Próximo




E depois que tudo acabar?

Continuarei seguindo meu caminho

Sem olhar para trás,

Sem ao menos sentir um pouco de você.

A dor não fui iludida

Aprendeu um pouco mais

E ao verme deu a carne.

Seguindo solto na noite fria,

ao relento de um vazio.

Sem culpas, desculpas!

Agora sou o Pudor.

Sou livre e obcecado;

Sou a corrente e o mar

E o sonho mais perfeito

Longe do que podes imaginar

E perto do desejo mais real

Suplico aos quatro cantos do mundo

Viva e se deixa viver!

Quem saiba assim eu possa me sentir

Um pouco mais você

E me tornar indiscutivelmente

Seco , sujo , contradizendo

Todo o meu temor,

Uma armadilha do ódio

Para o amor,

Imperfeito e solene

Como os sonhos.

E a espera de acreditar um dia

de que isso tudo valeu a pena.





(em parceria via msn com Marcone Knight)


segunda-feira, 1 de outubro de 2007

Desabafo

a realidade me mostra dor
desilusão...
quero fugir desse presente
da incapacidade que me assola
da falta de coragem que não me deixa
simplesmente seguir
sair por ai.. ao leu

é tão dificil me desapegar ao que tenho
porque o que não tenho.. passou
foi uma etapa superada

dificil querer mudar...
às vezes é necessario..
seguir um caminho
buscar minha identidade
ofuscada e perdida

preciso de mim


30/03/2007

quinta-feira, 20 de setembro de 2007





Vazio

Espaço aberto

Um buraco

Sensação de ter perdido,

sem ao menos ter tido

Falta

Esperança que se esvazia


quarta-feira, 1 de agosto de 2007

Sem Métrica

Tudo pode acontecer
Basta querer,
Basta ter vontade.
É só não deixar
ninguém atrapalhar
o caminho que
queremos seguir.
E neste caminho,
cruzaremos com
pessoas que possam
nos ajudar ou
magoar.
Não desejo mais
que ninguém nos
separe. Somos um
só.
o ruim
é que quando
se ama, não
existem barreiras e nem
limites que supe-
rem este sentimento.
é amar querendo
amar sempre. Com
tamanho ímpeto.
Vou lutar pra te
ganhar.
Vou lutar para
não te perder.



quinta-feira, 31 de maio de 2007

Desejos

Ah! Essa solidão que

me acompanha e me faz

querer-te e renascer pra vida.

Nada se compara ao estranho desejo

que sinto.

Sensações rasgadas na noite

e que almejo silenciar

em um beijo

quinta-feira, 26 de abril de 2007

Até quando?

Até quando?
Sabemos que não podemos viver
desse jeito eternamente
Mas, até quando?
Tudo é muito bom e gostoso
quando nos encontramos
Até quando?
Não temos tempo
Imagine!
Até quando não teremos tempo?
Enquanto nada nos impede
vamos aproveitar e esperar,
até quando?

23/09/1996

sexta-feira, 20 de abril de 2007

O Ponto


O ponto incial
ou o ponto de partida
O ponto distante
O ponto mais próximo
O ponto de ônibus
Pontos onde nossas vidas se ligam
Pontos de destinos traçados
O ponto que nos dá seguimento
Ou aquele ponto luminoso no céu
O ponto no túnel: uma luz
O ponto no deserto: salvação
O ponto que era sem graça
Torna-se o ponto colorido
Ponto verde, siga, aberto, carregado, entrada disponivel
Ponto vermelho, pare, fechado, sem carga, entrada esgotada
Pontos que piscam em estacionamentos
Pontos de desesperos
Pontos que ressalvam
Pontos que analisam
Pontos de vista
Por um ponto, várias retas, inúmeros caminhos
Por dois pontos uma reta, uma ligação
Pontos que dão pontos
Pontos de observação
O ponto onde tudo pára ou acaba
E o meu ponto final
Gera sempre um novo começo
Porque recomeço é tentar de novo
Algo que não deu certo


quinta-feira, 12 de abril de 2007

Ceci






Éramos uma
Hoje somos duas
Sou a luz que brotou em sua vida
Como filha, ofereço
O sorriso que te faz começar bem o dia
Sou a sua Maria!
A frágil pessoa que te fortalece
Como mãe, me embala em cantigas
ou no teu seio a me ninar
A cada dia descobrimos
Um pouco de cada uma
Um gesto
Um olhar
Emoções ...
Mãe e filha
Alegria íntima
Em que no meu olhar traduz: te amo!




*em parceria com mamãe Lizy

quinta-feira, 5 de abril de 2007

Medo

Sinto medo de mim

Do que penso

E de quem sou

Medo de amar

Medo de sofrer

Medo dos dias

Medo das noites

Medo do que é certo

Medo do que parece duvidoso

Medo de ter

Medo de perder

Medo da culpa

Medo da absolvição

Medo da liberdade

Medo da dependência

Medo de seguir

Medo de voltar




Sinto medo de mim

De pensar em quem sou

E de ser quem eu penso

Mas de uma coisa não tenho medo:

Da coragem de sentir o próprio MEDO.

segunda-feira, 2 de abril de 2007

A espera II

                             
                              
                              

Meu coração não se encontra perdido
ele apenas adormece
no meio de tanta confusão
esperando o momento certo

A declaração já foi feita
e aguardo a ocasião
do outro coração se libertar
do passado acabado
e do veneno que o contaminou.

Não tenho pressa
o caminho está lá
pronto pra ser descoberto
aguardando a oportunidade
e, se não chegar, não importa
porque pude conhecer
aquele sentimento de amar em paz
com tranquilidade
na distância
na saudade de nunca ter conhecido
do abraço não dado
e do beijo desejado



sexta-feira, 30 de março de 2007

A espera

            

                   
 
            
              
  
Quero-te em meus braços e

perder meu tino em seus afagos.

Não adianta fugirmos

do que poderá nos acontecer.

Desencontros inevitáveis.

Vou me agarrar ao tempo e fazer

com que nos encontremos,

dar ínicio a paixão.

Liberar nossos sentimentos a tudo

sem o pudor para nos censurar.

ai, o que anda acontecendo comigo?

Já não sei mais o que faço

nesse embaraço de esperar você.

A espera me consome e deixa

angustiado esse coração

que palpita esperançoso.








 

terça-feira, 27 de março de 2007

Estrela





Quem me dera
ser uma estrela
para brilhar cada vez
mais forte a cada
felicidade tua.
Seria um brilho intenso
que você chegaria
ao infinito de todas
as almas reluzentes
e só apagaria quando
o brilho dos teus olhos
fossem ofuscados
por uma lágrima

terça-feira, 20 de março de 2007

Eu

                                                                                                    
     

        
                          
Hoje quero falar de mim

Das lágrimas que deixo escorrer

Do pranto que me acalma..



É uma sensação de alívio..

Por prazer, por alegria,

por emoção, por satisfação



Claro e por tristeza...



É chorar com motivos..

por amor..

por estar junto...

por estar separado..

pela distância..



Ou por motivo algum..

apenas pelo prazer de sentir a

lágrima escorrendo, salgada pela face...



Fico vendo os dias passar

E nada faço pra mudar

Falta coragem pra seguir adiante

Então eu choro com um sorriso nos olhos





Minha realidade anda confusa..

por isso fujo para meu mundo de sonhos

lá sou feliz..

A solidão é nome de uma flor

linda e perfuma que encanta a todos..





E o pranto continua a acalentar

meus momentos...

 

sexta-feira, 16 de março de 2007

Noites Insones






Tic tac

Ouço o relógio
E os motores de carros;
Luzes que passeiam no teto
Vento que sopra gelado
Nessa escuridão
passatempos
passa o tempo.
Tudo é inerte

Turbilhões de pensamentos
E um deles fica estagnado
...e esperançoso.

tic tac tic tac

A madrugada é longa
E a saudade imensa
Noites insones que me levam ao passado
As rotinas de hoje já não fazem
parte do cotidiano de antes
De esperar um boa noite
ou uma simples ligação cortês
Mas o passado é uma mentira
tão verdadeira...

Alarmes disparam
E amanhã começa
tudo outra vez.

tic tac tic tac tic tac.



sexta-feira, 9 de março de 2007

Agora acabou






Começo a acreditar que nada é perfeito

Nem o elo perfeito

Nem a verdade contada

Ou a mentira vivida



Quando tudo se acaba fica a dor

Uma dor que não sei de onde vem

Por que senti-la?



Começo a perceber que tudo foi em vão

As noites em prantos

Os dias não dormidos

A falta de ânimo

ou a promessa esquecida



Quando tudo se acaba fica o vazio

Um vazio que não sei onde termina




 

quinta-feira, 8 de março de 2007

Solidão





Os caminhos foram percorridos

Nada foi encontrado

Tudo está vazio

Pensamento perdido

Olhar distante

Incertezas incessantes.

Luta diária por mudanças.

Detalhando dúvidas

Por ninguém me entender

Sigo triste,

Avessa às contradições

E ignorando o que era claro.

Continuo seguindo sozinha.

Pelo nada que sou e represento

Criando problemas para distração

Ou apenas imaginando situações.

E, amanhã acordarei, novamente


Sem ninguém...




quinta-feira, 1 de março de 2007

Caminhos








vontade que não cessa

querer sumir

não ter para onde ir

seguir sem rumo na direção

e não olhar para trás

não notar o quanto já foi caminhado

e quantas pedras encontradas foram guardadas

colecionando-as apenas para sentir o peso nas costas

sem farol,

sem norte

indo...



segunda-feira, 19 de fevereiro de 2007

Sonhos





Fecho os olhos
e posso sentir o calor
da sua respiração
Suavizando essa paixão
que, não passa e, me embriaga de desejos.
Na clausura dos meus sonhos
eu te sinto.
Toques que inebriam a alma
e me faz querer embrenhar no seu íntimo.
Me prender no cativeiro do seu prazer
com nossos corpos nus dialogando
em líricas emoções
Transmutadas em beijos
quentes e molhados
retratados ou esculpidos...




 

segunda-feira, 12 de fevereiro de 2007

Esquece

.




me faz esquecer



a mentira contada

a pedra jogada

a palavra dita

a paixão recolhida

a data comemorada



continua me fazendo esquecer



os planos traçados

os dias contados

os fins de semanas amados

as frases repetidas



porém não consigo esquecer



os afagos trocados

os amores embevecidos

os beijos deliciados

os toques sentidos

as mentiras vivenciadas

e a felicidade iludida




 

Por aí






Uma metade de incerteza
Mirando o crepúsculo
Banhado pelo luar

Outra metade de medo
Temendo pela aurora
Dos ventos que carregam noticias

Um inteiro que passeia
Entre batalhas e vitórias
Apagando sem engano tudo que terminou

Um vazio cometendo suícidio
Preservando um futuro no campo de rosas
Tocando pétalas e ferindo-se nos espinhos

Seguindo por trilhas,
juntando as pedras que o destino jogou

Encontrando pessoas
Deixando saudades

Partindo em evidências
Concretizando pensamentos 




quarta-feira, 7 de fevereiro de 2007

O Amor




O amor é lindo
às vezes é... 
às vezes só faz raiva
às vezes o amor é VESGO
às vezes é o sol
às vezes é LUNA
às vezes não vale a pena
às vezes é cego
às vezes é mudo
às vezes é burro
às vezes só na cachaça
às vezes é também surdo
às vezes no silêncio da noite
às vezes no agito do dia
às vezes é interessante
às vezes é insuportável
às vezes só traz problemas
às vezes ...
blá, blá, blá

Porém o amor nunca deixará de ser amor
nem quando alguém tenta matá-lo
ou até aparecer a vaca...





(isso foi em uma conferência de msn entre eu, a Lunara, Vesgo e Wagner, dedico a vcs três...)


quinta-feira, 1 de fevereiro de 2007

segunda-feira, 29 de janeiro de 2007

Vida Inconstante




Reluz o brilho nos olhos.

Sensações a um leve toque.

A volta ao passado

Querendo mudar o errado.

Ajustar temperamentos.

Constantes tergiversações

Subvertendo paixões.

Buscando acontecimentos;

Declinando decisões

Vivenciando, desse modo,

Algo que não se realizou.

Encontrando brechas

No muro do silêncio.

Um amor recrudescente

Nunca vivido

Apenas imaginado...





quinta-feira, 25 de janeiro de 2007

Realidade sensível




Negócio abstrato
sem forma
sem curvas
com significados
e perfeição.
como entender
sem sentir?
como sentir 
sem tocar?
como tocar
se é invisível?

um que pede
dois que realizam
e terceiro que interrompe...


 

domingo, 21 de janeiro de 2007

Fim





É um frio na barriga

Ansiedade que devora

É pensar, sonhar e acordar

É conhecer, apaixonar-se e acostumar

E acomodando-se no cotidiano

Imaginando que cada dia

Era o primeiro e único

Eis que surge o desgosto

É angústia, tristeza e solidão

É o vazio, pesadelo e separação

E o não estar junto de ti

É estar mais próximo de mim

Foi paixão

Era amor

Virou ilusão





 

sexta-feira, 19 de janeiro de 2007

Ser poeta





Queria ser poeta

Para viajar nas palavras

e entender a filosofia

dos mais altos sabios!

E tentar desmitificar

os mais puros sentimentos

de ira, raiva, ódio e amor.

Passar por linhas e páginas,

como um marcador de textos

e sentir as formas das palavras

mais belas de um pensamento inconsciente...


 

terça-feira, 16 de janeiro de 2007

Imaginação





Sou a mais alta felicidade triste

Que acompanha aqueles

Que querem procurar qual

O sentido da vida.

Sou também a triste felicidade

Que dura pouco, contudo

O suficiente para

Sorrir de tudo o que

Acontece ao seu redor.

Eu sou assim, uma camaleoa

Sem identidade ou lenço,

Porém tenho toda essa magia

Que deixo vocês encantados ou assutados.

Sou amiga, inimiga, sou a

Quem trai e a que consola.

Julgo a todos por não quererem

Se defender ou condeno aqueles

Que só fazem o mal.

Eu sou assim,

Sou quem ama,

Que chora a cada despedida

E sorri a cada reencontro.

Sou uma compreensão,

Para quem não tem com

Quem falar, porque eu sei ouvir.

Não adianta se desesperar, pois

Sou seu raio de sol

Ou o mar a lhe acalmar.

Enfim, sou a sua imaginação

Fazendo com que sejas feliz

Em qualquer situação.





segunda-feira, 15 de janeiro de 2007

Letargia




Letargia

O corpo não responde a estimulos

Desalento com a sintonia mundana

Vista embaçada e embaraçada

nos pensamentos.

Imperfeição quase aniquilada

com sofismas.

É o querer ter sem

Nada poder fazer

É se deixar levar

pela sofreguidão

como um joguete

Inerte na inepta inércia...